Pular para o conteúdo

Antoine Lavoisier: Conheça a vida do cientista francês que mudou a química

16 de junho de 2021 às 14:19

Você já deve ter ouvido falar de Antoine Laurent Lavoisier (1743-1794)! O cientista francês é considerado o pai da química moderna.

Lavoisier fez descobertas muito importantes para a sociedade e abriu caminho para outros pesquisadores. Veja as curiosidades sobre esse marcante personagem da história da França!

Da Alquimia para Química

Digamos que Lavoisier colocou ordem na casa. Foi ele quem organizou os elementos químicos em uma Tabela Periódica. Isso mesmo, foi ele quem inventou aquela tabela que temos que decorar na escola! A tabela de Lavoisier começou com 33 elementos, atualmente são 118.

E, por que isso foi importante? Lavoisier conseguiu organizar os conhecimentos científicos descobertos pela alquimia para o desenvolvimento do estudo da química.

Além disso, ele introduziu um moderno sistema de nomes, que permitiu que as equações químicas sejam escritas em uma linguagem universal, entendidas por qualquer químico no mundo.

Em 1789, Lavoisier reuniu suas descobertas em um livro, o Traité Elementaire de Chimie (Tratado Elementar de Química), publicação que lançou as bases para o futuro desta área da ciência.

 

Carreia Brilhante

Lavoisier foi eleito membro da Academia de Ciências da França em 1768, quando tinha apenas 25 anos. Entre muitos de seus feitos, podemos citar seus estudos sobre a combustão de materiais. Foi Lavoisier quem deu o nome de oxigênio ao gás que combinado a materiais orgânicos resultava na combustão.

Em 1789, ele formulou o princípio da conservação da matéria, hoje batizada de Lei de Lavoisier, que diz que em qualquer sistema fechado, físico ou químico, nunca se cria nem se elimina matéria, apenas é possível transformá-la de uma forma em outra. Daí, surge a célebre frase: “Na natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”.

Lavoisier participou de muitos outros trabalhos que visavam compreender melhor outros elementos químicos, como o nitrogênio, o enxofre e o silício.

 

Marie Paulze: companheira de vida e trabalho

Dizem que Lavoisier foi muito feliz em sua vida conjugal. Ele era casado com Marie Paulze, uma aristocrata, inteligente e culta, a quem amava verdadeiramente. Um caso raro, em uma época em que os casamentos eram arranjados. Os dois costumavam trabalhar juntos no laboratório, anotando resultados de experimentos e principalmente a lendo e traduzindo textos científicos escritos em inglês, já que Lavoisier não dominava o idioma.

Lavoisier e sua esposa Marie Paulze
Retrato de Lavoisier e sua esposa – Pintor: Jacques-Louis David

Triste Fim: a guilhotina

Lavoisier tinha uma dupla jornada, de dia trabalhava para a monarquia como coletor de impostos e à noite trabalhava como químico. Até aí tudo bem, mas em 1789 explode a Revolução Francesa e a sua ligação com o antigo regime não passou despercebido. Mesmo sendo um dos cientistas mais brilhantes da época, em 1793, ele é considerado traidor do Estado e condenado à morte. Em 8 de maio de 1794, Antoine Lavoisier morre guilhotinado. Triste fim de um homem genial. O que mais Lavoisier poderia ter descoberto se não tivesse sido assassinado precocemente?

 

LEIA MAIS: