Pular para o conteúdo

Três Curiosidades sobre Alexandre Dumas

20 de julho de 2017 às 17:36

Por Beatriz Prieto

O francês é consagrado por ter escrito duas obras clássicas da literatura, sendo elas O Conde de Monte-Cristo e Os Três Mosqueteiros. Porém, além de publicar estes romances aventurescos, Dumas fez seu dinheiro e fama também ao escrever peças teatrais e contribuir para jornais com seus folhetins, sendo uma das figuras mais requisitadas na época, junto a Balzac. Suas obras ultrapassaram as camadas do tempo, e é possível perceber a influência de alguns fatos curiosos da vida do autor em suas narrativas. Conheça algumas curiosidades:

Seu pai participou da Revolução Francesa

O nome Alexandre e o sobrenome Dumas coroam não só pai, como também filho. O primeiro da geração, Thomas-Alexandre Dumas avô, nasceu no Haiti e teve uma trajetória digna de filme. Filho de um marquês branco e de uma escrava negra, ele foi temporariamente vendido como escravo na infância, e depois tomado de volta pelo pai, como em um processo de penhor. Sem título de nobreza, entrou no exército e foi subindo de patente até se tornar um general de renome, comandando mais de 50 mil soldados nas batalhas da sangrenta Revolução Francesa. Por causa do racismo, já que tinha a cor da pele escura por ser filho de mãe negra, Thomas-Alexandre não teve o reconhecimento que merecia, nem seu nome nos livros de história.

general-dumas

General Dumas em uma pintura feita por Olivier Pichat

Bem diferente foi a trajetória de seu filho, Alexandre Dumas que tratamos aqui neste post. Depois de biógrafos pesquisarem a fundo as histórias de Dumas, é notável que ele se inspirou em episódios da vida do pai para compor as narrativas. Em O Conde de Monte-Cristo, por exemplo, a prisão onde o personagem Edmond Dantés está preso fica em uma ilha do Mediterrâneo. Não muito diferente foi o destino de seu pai depois de ajudar Napoleão Bonaparte a ocupar o Egito e acabar naufragando em uma ilha no Mediterrâneo no caminho de retorno à França. Ele acabou em uma masmorra, pois mesmo tendo alcançado a costa, o povo local não recepcionou bem a tripulação. Outra referência é vista em Os Três Mosqueteiros que certamente tiveram suas lutas e batalhas baseadas na vida corajosa do pai.   

alexandre-dumas

Ilustração do General Alexandre Dumas lutando contra exército austríaco 

Foi exumado para ser enterrado no Panthéon

A exumação de Alexandre Dumas faz parte da história moderna e só foi feita em 2002 graças aos mandos do presidente Jacques Chirac, que detinha a posse na época. Antes dessa decisão, Dumas, um dos maiores nomes da literatura, com obras traduzidas para mais de cem línguas, estava sepultado no cemitério de Villers-Cotterêts, local onde nasceu.

pantheon

Panthéon de Paris, onde está a cripta de Alexandre Dumas 

Em seu discurso, o presidente reconheceu o racismo existe, pois o escritor também era negro, como seu pai general. Jacques disse que Dumas estaria finalmente ao lado de companheiros autores como Victor Hugo e Voltaire, imortalizados em suas criptas no Panthéon de Paris. A exumação contou com transmissão televisiva e seu caixão carregado por três homens vestidos como os mosqueteiros da clássica saga. Bravo!

Construiu um château para se esconder da fama

Além de curtir, é claro, pois Dumas era festeiro! Dizem que a generosidade era tanta que ele fazia grandes jantares e deixava as portas abertas até para desconhecidos. No ápice de sua fama, com os romances O Conde de Monte-Cristo e os Três Mosqueteiros publicados em formato de folhetim nos jornais, ele começou a procurar algum lugar em que tivesse um pouco de paz.

chateau-certo

Château de Monte-Cristo, que pode ser visitado em Port-Marly

Ele encontrou o esconderijo nas colinas de Port-Marly, Île-de-France, e contratou um arquiteto para construir não só um único castelo, mas dois:  um de arquitetura renascentista, e outro bem à frente, em estilo gótico, cercado por água. Ambos podem ser visitados, e o público pode ver de perto a escrivaninha que Dumas utilizava para escrever outras novelas, além da decoração e mobília deixava por ele. É possível, ainda, fazer visitas teatrais e musicais para se inteirar da essência de seus romances enquanto conhece o local que morou in loco.

Veja o vídeo do castelo e o site com todas as informações turísticas sobre a construção: