Pular para o conteúdo

Top 5: igrejas diferentes para conhecer em Paris

29 de agosto de 2018 às 12:29

Para além das badaladas Catedral de Notre Dame e Basílica Sacre coeur, Paris possui diversas outras igrejas importantes. Esses lugares contam muito da sua história e nem sempre estão nos roteiros turísticos. Mesmo para quem não é religioso, visita-las pode ser um passeio muito interessante e educativo.

Sainte-Chapelle

A sainte-chapelle muitas vezes passa batida nos programas turísticos da capital francesa. Localizada junto ao Palais de la Justice, ela foi construída no século XIII a pedido da família real francesa. Sua característica mais marcante são os vitrais de cair o queixo que tornam a iluminação da igreja um espetáculo ao longo do dia.

Saint-Sulpice

saint_sulpice

Com a aparência de inacabada, Saint-Sulpice começou a ser construída em 1646 e durou um século para ficar pronta.  Um dos principais atrativos da igreja são os afrescos de Delacroix, logo na entrada, e também o órgão de tubos que já tem mais de 150 anos e até hoje é tocado em algumas cerimônias.

Saint-Germain-des-Prés

Essa é considerada a igreja mais antiga de Paris que continua de pé. Construída no século VI, bem antes da existência da nação francesa, ela foi destruída nas invasões bárbaras e reconstruída por volta do ano 1000. Atualmente ela é o centro de uma das regiões mais agitadas da cidade, ao lado de diversas universidades.

La Madeleine

la_madeleine

Com uma das arquiteturas mais diferentes de Paris, a Igreja La Madeleine se parece com um templo grego. Sua construção foi repleta de interrupções, principalmente por conta da Revolução Francesa. O edifício é formado por 52 colunas de 20 metros de altura que dão a ele um aspecto imponente. Atualmente ela é a paróquia oficial da presidência da república.

Igreja da Sorbonne

eglise_sorbonne_universite

Muitas pessoas que vão visitar a Universidade de Paris Sorbonne acabam confundindo essa igreja com um portal de entrada. Ela foi realizada por interesse do Cardeal Richelieu, que queria ser sepultado nela. No conjunto, a obra evoca à Contrarreforma Católica, mas sua fachada traz aspectos do classicismo com uma arquitetura que lembra a Roma Antiga.

LEIA MAIS: