Pular para o conteúdo

Charles Baudelaire por Geraldo Mayrink

6 de abril de 2021 às 16:58

No dia 9 de abril, celebra-se o aniversário de 200 anos do nascimento do poeta francês Charles Baudelaire (1821-1867), um dos mais influentes autores do século XIX, percursor do simbolismo e da poesia moderna.

Um ensaio do também falecido jornalista, Geraldo Mayrink (1942-2009), publicado no Jornal do Brasil, em 1967, faz um bonito paralelo entre a vida pessoal de Baudelaire e sua obra. Mayrink fala dos sentimentos intensos de Baudelaire, de sua paixão pela escrita e pela criação.

Nada melhor do que entender um escritor, através do olhar de outro escritor:

Baudelaire e seus demônios

Fazer o Mal para o Mal, praticar expressamente o contrário daquilo que se acredita ser o Bem, querer o que não se quer: eis, num resumo melancólico, mas também grandioso, a vida de Charles Baudelaire.

Primeiro ele sentiu “no seu coração de criança” um êxtase pela vida, para mais tarde horrorizar-se com ela. Depois fingiu escolher um Deus que o protegesse, mas apenas para se entregar ainda mais a um Demônio que lhe dava prazer. Jurou a verdade e pregou a mentira. Defendeu o trabalho produtivo da sua sociedade capitalista em ascensão, mas jamais trabalhou: era um preguiçoso que confessava, tristemente, “o caráter inútil das coisas”. – Texto na íntegra aqui.

 

 

 

Leia Mais:

TOP 5: CURIOSIDADES SOBRE VICTOR HUGO

TOP 5: CLÁSSICOS FRANCESES QUE TODOS DEVERIAM LER

QUEM FOI A ESCRITORA FRANCESA GABRIELLE COLETTE?