Pular para o conteúdo

Top 5: fatos sobre Christian Dior

16 de janeiro de 2017 às 17:14

Por Beatriz Prieto

Christian Dior tanto acreditou na sorte que suas superstições lhe renderam um futuro cheio de glamour. Natural de Granville, na Normadia, ele já foi dono de galerias de arte e até arriscou algumas pinturas, mas o savoir-faire estava presente na moda. Rodeado de figuras influentes, como o poderoso industrial algodoeiro Marcel Boussac, Dior decide abrir sua própria maison de haute couture na Avenida Montaigne, em Paris, onde permanece até hoje. Responsável por resgatar a feminilidade das roupas, saturadas da esterilidade criativa do período pós Segunda Guerra, ele criou o New Look. Afinou as cinturas, valorizou o busto, e fez quase todas as mulheres sonharem em ser o molde para suas medidas. Conheça alguns fatos sobre Christian Dior e sua história:

Golpe de sorte

christian-dior-9

Dior herdou da avó o gosto pela adivinhação e superstição e, aos 14 anos de idade, fez sua primeira consulta com uma vidente. Ele alimentou o hábito durante toda a sua vida, fazendo encontros periódicos com as mulheres que lhe previam um destino afortunado. Sempre atento a sinais misteriosos, Dior tropeça em uma estrela de ferro na rua, justamente no momento em que pensava se devia aceitar ou não o convite de Marcel Boussac, famoso industrial da época, para ser designer chefe na maison Philippe et Gaston. A estrela o impulsionou a recusar o convite de Boussac e a criar uma maison própria, com seu nome, onde poderia se render aos impulsos criativos sem medo.

Avenida Montaigne, coração da Dior

1-montaigne

O número 30 da Avenida Montaigne, antes um pequeno hotel, foi escolhido para abrigar a primeira maison do estilista, em dezembro de 1946. Depois de 7 anos da aquisição, o lugar ocupava 5 imóveis, possuía 28 ateliês e empregava mais de mil pessoas. Para ter uma ideia da ebulição que causou à época, trabalhadoras da maison vizinha ocuparam as escadas da casa pedindo a suspensão das atividades dos ateliês Dior, temendo a concorrência. Até hoje o endereço pulsa entre a avenida Montaigne e a Rua François 1er, e continua recebendo nomes importantes em seus salões decorados ao estilo neo-Louis XVI.

O alvoroço da primeira coleção

christian-dior1

No ano seguinte ao da inauguração da maison, a primeira coleção é apresentada a um público seleto em desfile no ateliê. Jornalistas, como a redatora chefe do Harper’s Bazaar, Carmel Snow, estavam presentes. Ela, ao ver as silhuetas cuidadosamente justas e sensuais, disse a Dior que seus vestidos tinham um ar de “New Look”, e o termo foi amplamente usado para caracterizar o estilo das peças, que celebravam sobretudo a feminilidade do corpo das mulheres. Com cinturas e busto bem marcados, o tailleur bar se tornou a peça ícone da coleção, que deixava para trás um passado moroso de uniformes e peças sem personalidade do pós-guerra.

Preferido dos artistas

stars-en-dior-presskit-masterm-en-3

Favorito das estrelas da sétima arte, Dior fisgou a atenção de famosas rapidamente, já que seu nome começou a circular mundialmente logo após o primeiro desfile acontecer. Elizabeth Taylor foi uma delas, e usou o New Look para receber o Oscar de melhor atriz em 1961, sem falar de Grace Kelly, que vestiu-se de Dior no noivado em 1956. Ingrid Bergman também ostentou, no filme Indiscret (1958), um vestido da maison. Já no campo das artes, Dior tinha muitas amizades, tais como Jean Cocteau e Max Jacob, além de ter sido diretor de uma galeria de arte, o que aumentava ainda mais seu métier nessa área.

Flores como inspiração

25932834046_99768d2185_c

A cultura floral esteve presente de forma intensa na vida de Dior, já que a casa de seus pais, na Normandia, tinha um jardim caprichado à beira mar. Ao absorver as composições olfativas e também a paleta de cores diversificada das flores, ele souber transportar tais referências para o mundo da moda. O lírio-do-vale costurado entre forros ou aplicados nos botões é um dos exemplos, e os perfumes, consequentemente, também foram contemplados com o conhecimento botânico do estilista, que tinha a rosa como flor preferida. A tradição permanece até hoje, com Natalie Portman como garota propaganda da fragrância La Vie en Rose.